xtb

A cobrança principal do Bitcoin aumenta as apostas para o dinheiro digital do banco central

À medida que as criptomoedas se tornam cada vez mais populares, cresce a pressão sobre os maiores bancos centrais do mundo para avançar com seus planos de emissão de dinheiro digital e afastar as ameaças do setor privado ao dinheiro tradicional.

A maior criptomoeda, bitcoin, mudou das periferias das finanças para ser adotada por grandes investidores, empresas e até mesmo cidades. A aposta de US $ 1,5 bilhão da Tesla Inc fez com que o bitcoin atingisse recordes de quase US $ 50.000 e a moeda digital apoiada pelo Facebook, Diem, anteriormente conhecida como Libra, pretende ser lançada este ano.

Os bancos centrais dos países do Grupo dos Sete estabeleceram em outubro como uma moeda digital poderia funcionar, embora o progresso tenha sido lento. O comunicado da reunião de ministros das finanças do G7 na semana passada não mencionou a tecnologia nascente.

Aqui estão as últimas novidades sobre moedas digitais do banco central (CBDC).

O QUE ELES SÃO?

CBDCs são o equivalente eletrônico do dinheiro.

Como notas ou moedas, eles dariam aos detentores um direito direto sobre o banco central, ultrapassando os bancos comerciais. Com o respaldo dos bancos centrais, seriam tão “isentos de risco” quanto o dinheiro tradicional e permitiriam aos detentores fazer pagamentos online.

O acesso ao dinheiro do banco central além do dinheiro físico tem sido restrito até agora às instituições financeiras. Estendê-lo ao público em geral teria grandes repercussões econômicas e financeiras.

POR QUE OS BANCOS CENTRAIS ACHAM QUE NÓS PRECISAMOS?

Os bancos centrais temem perder o controle do sistema global de pagamentos para criptomoedas, que normalmente não são controladas por nenhum órgão central - ou para entidades privadas, como no caso de Diem.

Isso poderia enfraquecer o controle dos bancos centrais sobre a oferta de moeda, uma das principais vias para as economias orientadoras. E a ameaça tornou-se mais real em meio ao abraço cada vez mais comum das moedas digitais.

As firmas financeiras BNY Mellon e Mastercard disseram na semana passada que ofereceriam suporte para ativos digitais, enquanto a cidade de Miami busca permitir o uso de bitcoin para pagar trabalhadores e para pagamento de taxas e impostos.

À medida que o uso de dinheiro físico diminui, um CBDC seria uma alternativa de pagamento digital mais segura do que as criptomoedas.

COMO SERIA UM CBDC?

É aqui que as opiniões diferem.

Um CBDC pode assumir a forma de um token salvo em um dispositivo físico, como um telefone celular ou um cartão pré-pago, tornando mais fácil a transferência offline.

Alternativamente, poderia existir em contas gerenciadas por um intermediário como um banco, o que ajudaria as autoridades a policiá-lo e potencialmente remunerá-lo com uma taxa de juros.

Embora a ideia de um CBDC tenha nascido em parte como uma resposta às criptomoedas, não há nada que diga que ele deva usar o blockchain, o livro razão distribuído que alimenta esses tokens.

O Banco Popular da China disse que seu yuan digital não dependeria de blockchain.

QUE BANCOS CENTRAIS ESTÃO LIDERANDO?

O Banco Popular da China pretende se tornar o primeiro grande banco central a emitir um CBDC, parte de seu esforço para internacionalizar o yuan e reduzir a dependência do sistema de pagamentos dominado pelo dólar.

Os bancos comerciais estatais chineses já estão testando um aplicativo de carteira digital, segundo a mídia local. A empresa de comércio eletrônico JD.com Inc disse em dezembro que foi a primeira plataforma virtual da China a aceitar a moeda digital local.

O Banco Central Europeu e o Banco da Inglaterra lançaram consultas, embora a presidente do BCE, Christine Lagarde, tenha dito no mês passado que qualquer euro digital levaria anos. O Banco do Japão e o Federal Reserve dos EUA ficaram em segundo plano.

O Riksbank da Suécia começou a testar uma e-coroa, enquanto o Banco do Canadá também acelerou o trabalho em sua moeda digital.

As nações menores também estão avançando: as Bahamas se tornaram, no ano passado, a primeira nação a lançar um CBDC em todo o país.

QUAIS SÃO OS RISCOS?
Os bancos centrais temem que qualquer migração em massa para o CBDC esvazie os bancos comerciais, privando-os de uma fonte barata e estável de financiamento, como depósitos de varejo.

Em uma crise, isso os tornaria vulneráveis ​​a uma corrida aos seus cofres, pois os clientes prefeririam a segurança de uma conta garantida pelo banco central.

Por esse motivo, a maioria dos projetos prevê um limite de quanto cada consumidor poderia reter no CBDC. As taxas de remuneração podem ser menores para reduzir a atração.