xtb

Acordo de dívida da Argentina sinaliza atualizações, mas tem perspectivas difíceis, dizem agências de classificação

O acordo de reestruturação da dívida de US $ 65 bilhões da Argentina com os detentores de títulos provavelmente levará a atualizações de crédito, mas está longe de garantir o futuro econômico de longo prazo do país, disseram agências de classificação de risco à Reuters na quinta-feira.

Após meses de negociações, a Argentina chegou a um acordo com importantes grupos de credores na terça-feira para renovar a dívida, depois de cair em seu nono default soberano em maio. O acordo ainda precisa ser formalizado este mês.

O analista de ratings soberanos da Moody’s (NYSE: MCO), Gabriel Torres, disse que não garante necessariamente uma perspectiva econômica positiva além do curto prazo.

“Tudo o que você fez foi chutar a lata pela estrada”, disse Torres. “Não está claro para mim que os mercados emprestarão a esse governo daqui para frente”.

A Standard & Poor’s planeja tirar a Argentina de seu atual padrão de inadimplência seletiva (SD) após a formalização do negócio, disse Lisa Schineller, analista líder da agência para ratings soberanos na América Latina.

A classificação exata, no entanto, dependerá da trajetória de crescimento da Argentina, que foi prejudicada pelo impacto do COVID-19.

“A fraqueza no crescimento não é algo que mudará da noite para o dia, então isso manterá a classificação baixa”, afirmou Schineller.

Todd Martinez, diretor de soberanos da América Latina na Fitch Ratings, que rebaixou a Argentina para “RD” em maio, disse que o país obteria uma classificação de saída no acordo, mas seria apenas um ganho modesto.

O crescente déficit fiscal da Argentina, a alta inflação e a taxa de câmbio distorcida continuarão afetando sua classificação de crédito muito além de qualquer acordo, disse ele.

“As perspectivas de melhoria adicional no rating após a reestruturação são muito incertas”, afirmou Martinez. “Queremos ver como a Argentina navega e lida com seus profundos desequilíbrios.”

Eventualmente, a Argentina precisará recuperar o acesso ao mercado de capitais para manter o controle de sua dívida reestruturada, o que não será direto. A economia deve contrair mais de 10% este ano e controles rígidos de capital estão em vigor.

“A Argentina pode pagar essa nova dívida?” Perguntou Moody’s Torres. “Essa será a próxima pergunta.”