xtb

Como a crise do petróleo na Venezuela gerou protestos em massa em Cuba

Cuba viu nos últimos dias os maiores protestos em décadas, quando milhares de pessoas foram às ruas no país comunista para exigir liberdade. Mas eles também protestam contra a grave crise econômica e quedas de energia. A pandemia exacerbou uma crise que vem se formando há anos devido às sanções dos EUA contra Cuba e, mais recentemente, às sanções americanas contra o fiel aliado de Cuba, Nicolas Maduro da Venezuela. A decadente indústria petrolífera venezuelana significa que menos óleo combustível do país com as maiores reservas de petróleo do mundo está chegando às costas cubanas para abastecer as velhas usinas da ilha.

A geração de energia de Cuba é fortemente dependente de derivados de petróleo - de acordo com a Agência Internacional de Energia (AIE), o fornecimento de energia de Cuba vem principalmente de derivados de petróleo, que respondem por mais de 80 por cento da geração de energia.

As sanções dos EUA à Venezuela, no entanto, aceleraram o fim da estatal de petróleo PDVSA, que também luta com equipamentos desatualizados em refinarias e fábricas devido a anos de falta de investimento em manutenção e peças de reposição. O colapso da produção e das exportações de petróleo da Venezuela também reduziu os embarques para Cuba. A ilha não tem óleo combustível suficiente, que vinha da Venezuela por meio de um acordo de permuta entre os líderes dos dois países em 2000.

Relacionado: Biomassa: A Grande Fraude de ‘Energia Limpa’ da UE

A Venezuela é o maior fornecedor de petróleo de Cuba em um acordo de troca selado pelos líderes dos dois países, Hugo Chávez e Fidel Castro. O acordo previa que Cuba recebesse remessas regulares de petróleo bruto em troca de seus médicos e outros profissionais altamente treinados para trabalhar na Venezuela.

O endurecimento das sanções dos EUA contra o regime de Maduro agravou os problemas da indústria petrolífera da Venezuela, e Cuba tornou-se uma vítima colateral da redução dos embarques de petróleo venezuelano.

Considerando que Cuba depende do óleo combustível venezuelano para manter as luzes acesas, o suprimento insuficiente de petróleo de Caracas significa horas de apagões porque a maioria das usinas é velha, ineficiente e funciona com derivados de petróleo.

Cortes de energia têm sido um dos principais motivos dos protestos cubanos nos últimos dias. Pessoas e empresas não têm eletricidade por horas todos os dias. Isso contribui para o desmoronamento da economia devido à pandemia e à perda de receitas das chegadas de turistas, visto que as pessoas evitam viajar para Cuba.

Duas semanas antes do início dos protestos no domingo, as autoridades haviam dito no final de junho que haveria cortes de energia em todo o país até 7 de julho devido a uma falha na usina termelétrica Antonio Guiteras em Matanzas. Poucas semanas antes disso, a usina passou por uma manutenção planejada.

Relacionado: O petróleo cai à medida que a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos se comprometem

A redução dos embarques de petróleo da Venezuela, o colapso da indústria do turismo e a pandemia criaram uma tempestade perfeita em Cuba. Moradores exigem liberdade e a renúncia do presidente Miguel Díaz Canel. Os cubanos estão fartos das dificuldades econômicas, graves cortes de energia, escassez de alimentos e medicamentos e contínua supressão da liberdade de expressão.

A economia de Cuba entrou em colapso em 11 por cento em 2020, de acordo com estimativas do governo. Este ano, a desaceleração econômica continua.

Moradores de San Antonio de los Baños, que desencadeou os protestos nas ruas na semana passada, passam 12 horas sem eletricidade por dia, informa o Caracas Chronicles.

Este é o pior que os cubanos viram desde a crise humanitária no início dos anos 1990 durante o chamado Período Especial, que começou com o colapso da União Soviética e do Conselho de Assistência Econômica Mútua que a URSS liderava no bloco oriental da Europa e no Socialista e estados administrados por comunistas em outros lugares, incluindo Cuba.

As autoridades cubanas prenderam dezenas de pessoas esta semana após os protestos, raros no país, onde reuniões não autorizadas são ilegais. O presidente Díaz Canel disse que os protestos foram instigados pelos EUA e exortou os “verdadeiros revolucionários” de Cuba a reprimir os protestos dos “mercenários”, que aumentaram a violência nas ruas cubanas.

É improvável que os protestos resultem na derrubada do regime em Cuba porque o país não tem um movimento político alternativo que possa fazer a transição do país para alguma forma de liberdade e democracia, disse Rafael Osío Cabrices do Caracas Chronicle.