Companhia aérea portuguesa TAP obtém lucro raro à medida que as receitas disparam

A companhia aérea portuguesa TAP registrou um lucro líquido raro no terceiro trimestre na quarta-feira com forte receita e ajudada pelo hedge cambial, mas disse que a visibilidade para o próximo ano permanece baixa.

A estatal, que está passando por uma reestruturação, reportou um lucro de 111 milhões de euros (US$ 110 milhões) contra um prejuízo de 134,5 milhões um ano antes.

A receita operacional da TAP saltou para 1,1 bilhão de euros de 444 milhões de euros um ano antes, predominantemente impulsionada pelo aumento das tarifas e maior capacidade, à medida que a demanda por viagens voltou a vigorar após o levantamento das restrições do COVID, mesmo em meio à inflação galopante.

O lucro recorrente antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBITDA) de 280 milhões de euros ficou acima dos níveis pré-pandemia.

“A TAP está confirmando seu forte desempenho no terceiro trimestre com todas as métricas financeiras acima dos níveis pré-crise, apesar do aumento dos custos de combustível”, disse a CEO Christine Ourmieres-Widener em comunicado.

Ela acrescentou que, embora a demanda para o quarto trimestre permaneça muito forte, “a visibilidade para o próximo ano ainda é baixa e, dado o ambiente incerto, é cada vez mais crucial focar em nosso plano estratégico que provou sua eficácia até agora”.

A reestruturação da TAP ao abrigo de um plano de resgate de 3,2 mil milhões de euros aprovado por Bruxelas inclui a redução da frota, o corte de mais de 2.900 postos de trabalho e a redução dos salários da maioria dos trabalhadores em até 25%. Também deve encerrar seus negócios de manutenção de aeronaves no Brasil.

O CEO disse em setembro que a TAP estava a cumprir os seus objetivos, tornando-se mais atrativa para um potencial parceiro internacional, cabendo ao governo decidir se e quando reprivatizar a TAP

No âmbito do plano, a TAP tem de alcançar resultados operacionais positivos em 2023 e um lucro líquido anual em 2025, recuperando de um prejuízo recorde de 1,6 mil milhões de euros em 2021.