xtb

Desemprego no Brasil e fim da ajuda de emergencial ameaçam recuperação econômica

O vencimento de pagamentos de emergência a milhões de brasileiros mal remunerados e a provável restauração de medidas de austeridade que sufocam o crescimento, à medida que o desemprego aumenta, correm o risco de torcer o crescente otimismo de que a economia da América Latina pode não aquecer tanto quanto temia.

A previsão média para o produto interno bruto para 2020 agora está mostrando um declínio de 5,7%, mostrou uma pesquisa semanal com economistas do banco central na segunda-feira, mais suave que a queda de 6,5% vista no mês anterior.

A melhoria está amplamente relacionada ao impacto mais forte do que o esperado dos programas mensais de “transferência social” de 600 reais para trabalhadores mal remunerados, subsídios que o presidente da extrema direita Jair Bolsonaro concordou sob pressão do congresso brasileiro.

Embora ainda represente a maior desaceleração anual já registrada, é a perspectiva mais otimista desde maio. O gráfico do banco central abaixo mostra as previsões de crescimento do PIB para 2020 em azul e a previsão para 2021 em robustos 3,5% pela sétima semana.

Grande parte do otimismo recente pode ser atribuída a uma decisão de estender os pagamentos de emergência por mais dois meses, diz Julia Braga, professora associada de economia da Universidade Federal Fluminense, no Rio de Janeiro.

Os pagamentos mensais de abril a agosto totalizarão cerca de 254 bilhões de reais (US $ 48 bilhões), segundo estimativas do Ministério da Economia. Isso representa cerca de 3,5% do PIB colocado diretamente nos bolsos das pessoas em questão de meses.

Quase metade da população inteira, em quase 30 milhões de famílias, recebeu o auxílio em junho, calcula a agência de estatísticas IBGE.

“Se a ajuda de emergência terminar e não houver um tipo semelhante de programa de transferência de renda para atender às necessidades dos trabalhadores informais e das famílias pobres, não haverá crescimento, não haverá recuperação”, afirmou Braga.

“Mesmo que seja encontrada uma vacina COVID, a fragilidade econômica é enorme. O mercado de trabalho não se recuperará rapidamente … e se o governo voltar à austeridade, não haverá recuperação mais ampla ", disse ela.

Relatos da mídia local dizem que o Ministério da Economia pretende estender esses pagamentos até o final do ano, mas a um valor inferior a 200 reais por mês. Mesmo o nível reduzido seria uma reviravolta importante para as autoridades que insistem que os gastos estão secos e podem refletir o inesperado aumento da popularidade que Bolsonaro desfrutou do programa em algumas das regiões mais pobres do Brasil.

O argumento econômico para o investimento público, conhecido como “multiplicadores fiscais”, é forte, especialmente quando a economia está deprimida.

Durante o tempo normal, o crescimento de 1% no investimento público leva a um crescimento de 1,3% no PIB, de acordo com Rodrigo Orair, do Instituto de Economia Aplicada do IPEA, em Brasília. Durante as recessões, o impacto é ainda mais forte, com um aumento de 2,2% no crescimento do PIB.

Mas o ministro da Economia, Paulo Guedes, e sua equipe adotam uma visão completamente diferente, argumentando que o controle rígido sobre os gastos públicos é fundamental, especialmente considerando o déficit e a dívida recordes causados ​​pela crise.

DORES DO PARTO

Embora alguns indicadores, como os últimos números de empregos formais, tenham sido surpreendentemente otimistas, o mercado de trabalho permanece frágil.

Carlos Kawall, diretor do Banco ASA em São Paulo e ex-secretário do Tesouro, é cético de que interromper os pagamentos será tão prejudicial para a economia, pois eles se concentram em faixas de baixa renda que consomem menos, especialmente serviços.

Mas ele concorda que o mercado de trabalho é o calcanhar de Aquiles da economia, particularmente no setor de serviços - compreendendo desde barmen a educadores - que responde por cerca de 70% de toda a atividade econômica e onde a maioria dos empregos foi perdida.

“O mercado de trabalho é o guia mais abrangente que temos para a saúde da economia e o nível de emprego em todo o país ainda está muito deprimido”, disse Kawall.

“Os serviços estão atrasados ​​na recuperação e respondem pela maior parte do desemprego. A recuperação pode ser muito lenta ”, acrescentou.

Em abril, o governo lançou um programa de US $ 10 bilhões, que permite às empresas reduzir salários e horas dos trabalhadores, ou suspender temporariamente contratos, a fim de preservar o maior número possível de empregos.

O Ministério da Economia estima que mais de 8 milhões de empregos foram preservados. Mas essas medidas devem expirar até o final do ano.

O Brasil perdeu quase 1,5 milhão de empregos formais no período de março a junho, mais de um milhão deles no varejo e em outros serviços. O gráfico do Ministério da Economia abaixo mostra 1,2 milhão de empregos formais perdidos no período de janeiro a junho, mais de 80% dos quais estavam no varejo e em outros serviços.