Dívida pública global bate recorde de US$ 92 trilhões

A dívida pública global subiu para um recorde de US$ 92 trilhões em 2022, à medida que os governos contraíram empréstimos para combater crises, como a pandemia de COVID-19, com o ônus sendo sentido de forma aguda pelos países em desenvolvimento, disse um relatório das Nações Unidas.

A dívida interna e externa em todo o mundo aumentou mais de cinco vezes nas últimas duas décadas, superando a taxa de crescimento econômico, com o produto interno bruto apenas triplicando desde 2002, de acordo com o relatório de quarta-feira, divulgado antes da reunião dos ministros das finanças e do G20 reunião dos governadores do banco central de 14 a 18 de julho.

“Os mercados podem parecer não estar sofrendo - ainda. Mas as pessoas estão”, disse o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, a repórteres. “Alguns dos países mais pobres do mundo estão sendo forçados a escolher entre pagar sua dívida ou servir seu povo.”

Os países em desenvolvimento devem quase 30% da dívida pública global, dos quais 70% são representados por China, Índia e Brasil. Cinquenta e nove países em desenvolvimento enfrentam uma relação dívida/PIB acima de 60% – um limite que indica altos níveis de dívida.

“A dívida tem se traduzido em um fardo substancial para os países em desenvolvimento devido ao acesso limitado a financiamento, custos crescentes de empréstimos, desvalorizações da moeda e crescimento lento”, acrescentou o relatório da ONU.

Além disso, a arquitetura financeira internacional tornou o acesso ao financiamento para os países em desenvolvimento inadequado e caro, disse a ONU, apontando para pagamentos líquidos de juros da dívida superiores a 10% das receitas de 50 economias emergentes em todo o mundo.

“Na África, o valor gasto em pagamentos de juros é maior do que o gasto em educação ou saúde”, constatou o relatório, com 3,3 bilhões de pessoas vivendo em países que gastam mais em pagamentos de juros da dívida do que em saúde ou educação.

“Os países estão enfrentando a escolha impossível de pagar suas dívidas ou servir seu povo.”

Credores privados, como detentores de títulos e bancos, representam 62% do total da dívida pública externa dos países em desenvolvimento.

Na África, essa participação dos credores cresceu de 30% em 2010 para 44% em 2021, enquanto a América Latina tem a maior proporção de credores privados detentores de dívida externa do governo para qualquer região em 74%.

As Nações Unidas disseram que os credores multilaterais devem expandir seu financiamento, com medidas como a suspensão temporária das sobretaxas do Fundo Monetário Internacional (FMI) - comissões cobradas dos tomadores que usam suas linhas de crédito extensivamente - e maior acesso ao financiamento para países com dívidas difíceis.

Um mecanismo de liquidação da dívida também é necessário “para lidar com o lento progresso da Estrutura Comum do G20”, disseram os autores, sem fornecer mais detalhes sobre como esse mecanismo deve funcionar.

A estrutura de tratamento da dívida foi adotada pelo Grupo das 20 principais economias e credores oficiais em outubro de 2020 e visa incluir não membros do clube de Paris, como a China, no alívio da dívida.