Economia da Itália pode crescer acima de 5,8% em 2021

A economia da Itália pode crescer este ano mais de 5,8% e apresentar índices de déficit e dívida melhores do que os estimados, disse o ministro da Economia, Daniele Franco, no domingo.

Falando em uma conferência anual de negócios em Cernobbio, no Lago Como, Franco acrescentou que Roma está empenhada em transformar a recuperação pós-pandemia em maior crescimento estrutural.

Em sua última previsão em abril, o Tesouro da Itália estimou um crescimento de 4,5% neste ano e 4,8% em 2022. A terceira maior economia da zona do euro encolheu por um recorde do pós-guerra de 8,9% em 2020.

Desde abril, as perspectivas melhoraram gradualmente e o órgão parlamentar de vigilância do orçamento (UPB) disse no mês passado que esperava que a economia do país crescesse 5,8% em 2021.

“Uma forte recuperação está em andamento e não podemos excluir que o crescimento do PIB será mais forte do que o estimado pela UPB”, disse Franco. “É importante que a recuperação seja rápida, mas o desafio mais importante é conseguir um crescimento estrutural mais forte.”

As novas projeções do governo, juntamente com as metas atualizadas das finanças públicas, constarão do Documento Econômico-Financeiro do Tesouro (DEF) previsto para 27 de setembro.

O DEF forma a estrutura preliminar para o orçamento de 2022, que Franco disse no domingo que permaneceria expansionista para ajudar na recuperação da pandemia.

As proporções do déficit em relação ao PIB e da dívida em relação ao PIB da Itália devem ser melhores do que o previsto no final deste ano, acrescentou.

Roma almejou em abril um hiato fiscal de 11,8% do PIB este ano e disse que sua relação dívida / PIB aumentaria para 159,8%, a maior na história do pós-guerra da Itália.

“A dívida pública é sustentável … o custo médio da dívida ficou em torno de 2,4% no ano passado e deve cair ainda mais”, disse.

Para ajudar a impulsionar o crescimento anêmico tradicional da Itália, o governo planeja cortar o imposto de renda e a carga tributária em uma reforma fiscal planejada que pode ser aprovada pelo gabinete este mês.

“É necessário um esforço comum de todo o país” para impulsionar o crescimento de longo prazo, disse o ministro.