xtb

Ministro do Brasil pede desregulamentação ambiental, enquanto público distraído pelo COVID

O ministro do Meio Ambiente do Brasil, Ricardo Salles, pediu ao governo que adote mais desregulamentação da política ambiental, enquanto as pessoas se distraem com a pandemia de coronavírus, em um vídeo que o Supremo Tribunal Federal ordenou que fosse divulgado na sexta-feira.

O vídeo de uma reunião de ministros apareceu em uma investigação sobre se o presidente Jair Bolsonaro interferiu na nomeação de líderes da polícia federal para ganho pessoal.

Durante a reunião, outros ministros falaram, incluindo Salles, com grupos ambientalistas dizendo que seus comentários provam que o governo Bolsonaro está sistematicamente buscando desmantelar as proteções ambientais.

“Precisamos fazer um esforço enquanto estamos neste momento calmo em termos de cobertura da imprensa, porque eles estão apenas falando sobre o COVID, e avançam e alteram todas as regras e simplificam as normas”, disse Salles no vídeo.

O desmatamento atingiu uma alta de 11 anos no ano passado e aumentou 55% nos primeiros quatro meses do ano, em comparação com um ano atrás, com ambientalistas culpando as políticas de Bolsonaro.

Bolsonaro pediu o desenvolvimento da Amazônia, dizendo que é necessário tirar as pessoas da pobreza e que ele está sendo injustamente demonizado pela mídia.

Solicitado a responder ao vídeo, o Ministério do Meio Ambiente emitiu um comentário de Salles: “Sempre defendi a desburocratização e simplifiquei as normas, em todas as áreas, com bom senso e dentro da lei. O emaranhado de leis irracionais dificulta os investimentos, a geração de empregos e, portanto, o desenvolvimento sustentável no Brasil. ”

No vídeo, Salles reclamou dos desafios legais às mudanças propostas nas regras ambientais, de que o governo precisava de “artilharia” legal para defender as mudanças e deveria ignorar o Congresso.

“Nós não precisamos do congresso. Porque as coisas que precisam do Congresso, com a bagunça que existe, não serão aprovadas. ”

A porta-voz do Greenpeace Brasil, Luiza Lima, disse em comunicado que “Salles acredita que as pessoas que estão morrendo na fila dos hospitais são uma boa oportunidade para avançar em seu projeto anti-ambiental”.

A fala do atual ministro do meio ambiente colabora ainda mais para a já desgastada imagem do Brasil no exterior. Principalmente dentro da UE, onde a discussão ambiental está consideravelmente forte, por ser defendida por países-chave como Alemanha, as queimadas na Amazônia se tornaram mais um motivo de preocupação com relação às políticas do governo.

Apesar de países da UE e até mesmo os EUA terem governos essencialmente neoliberais, a destruição da Amazônia é um tópico muito sensível devido ao patrimônio que a floresta representa. Nesse âmbito, a fala do ministro foi vista com muito receio e choque pelos principais jornais internacionais.