xtb

O crescimento do emprego nos EUA desacelera; quase quatro milhões de americanos desempregados permanentemente

O crescimento do emprego nos EUA desacelerou mais do que o esperado em setembro e mais de 300.000 americanos perderam seus empregos permanentemente, causando um golpe potencial no presidente Donald Trump antes da eleição presidencial ferozmente contestada de 3 de novembro.

O relatório de empregos do Departamento de Trabalho, na sexta-feira, ressaltou a necessidade urgente de estímulo fiscal adicional para ajudar na recuperação da economia de uma recessão desencadeada pela pandemia COVID-19. A desaceleração na contratação de compostos problemas para Trump, que anunciou durante a noite que tinha testado positivo para coronavírus.

Pouco mais da metade dos 22,2 milhões de empregos perdidos durante a pandemia foram recuperados. O ex-vice-presidente Joe Biden, indicado pelo Partido Democrata, atribui a turbulência econômica ao tratamento da pandemia pela Casa Branca, que já matou mais de 200.000 pessoas e infectou mais de 7 milhões no país.

“O relatório de empregos aumenta as desgraças de Trump”, disse James Knightley, economista-chefe internacional do ING em Nova York. “As probabilidades de aposta indicam uma chance diminuída de ele ganhar a reeleição e uma probabilidade muito maior de uma varredura limpa pelos democratas.”

A folha de pagamento não agrícola aumentou em 661.000 empregos no mês passado, o menor ganho desde a recuperação dos empregos iniciada em maio, após avançar 1,489 milhão em agosto. Todos os setores adicionaram empregos, com exceção do governo, que eliminou 216.000 vagas devido à saída de trabalhadores temporários contratados para o Censo e às dispensas em departamentos de educação do governo estadual e local, já que muitos distritos escolares passaram a usar o aprendizado online.

O emprego no setor de lazer e hospitalidade aumentou em 318.000, respondendo por quase metade do ganho em empregos não agrícolas. As folhas de pagamento estão 10,7 milhões abaixo do nível pré-pandemia. Economistas ouvidos pela Reuters previam que 850.000 empregos foram criados em setembro. O crescimento do emprego atingiu o pico em junho, quando a folha de pagamento aumentou para um recorde de 4,781 milhões de empregos.

A taxa de desemprego caiu para 7,9% em setembro, com 695.000 pessoas deixando a força de trabalho de 8,4% em agosto. A taxa de desemprego foi novamente inclinada para baixo por pessoas classificando-se erroneamente como “empregadas, mas ausentes do trabalho”.

Sem esse erro, o governo estimou que a taxa de desemprego teria ficado em torno de 8,3% em setembro. 3,8 milhões de pessoas perderam o emprego para sempre, 345 mil a mais que em agosto. Mais experimentaram longos períodos de desemprego, com o número de pessoas sem trabalho por mais de 27 semanas aumentando de 781.000 para 2,4 milhões.

Os EUA, que já vinham amargando uma guerra comercial com a China, continuam duramente afetados pela pandemia, com estados sendo obrigados a tomar medidas locais de lockdown. Com isso, muitos perderam empregos temporários e o consumo reduziu, como também ocorre na UE. Resta saber se as eleições ainda nesse ano terão algum efeito positivo na recuperação para o próximo ano, e, consequentemente, redução do desemprego.