xtb

Pompeo censura HSBC por 'kowtow corporativo' em Pequim

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, criticou na terça-feira o banco britânico HSBC (HSBA.L) por apoiar medidas da China para acabar com a autonomia de Hong Kong, afirmando que essas “reverências corporativas” recebem pouco em troca de Pequim.

Pompeo disse que os Estados Unidos estavam prontos para ajudar a Grã-Bretanha com alternativas, depois que Pequim ameaçou punir o HSBC e quebrar os compromissos de construir usinas nucleares no país, a menos que o governo britânico permitisse que a China Technologies Huawei HWT.UL participasse da construção de uma rede 5G.

“Os Estados Unidos estão com nossos aliados e parceiros contra as táticas coercitivas de bullying do Partido Comunista Chinês”, disse Pompeo em comunicado, seu último golpe no partido no poder da China.

Pompeo se referiu ao CEO do HSBC na Ásia-Pacífico, Peter Wong, assinando uma petição apoiando os planos de Pequim de impor nova legislação de segurança em Hong Kong. Ele disse que a “broca” do HSBC pela liderança comunista da China “deve servir como um conto de advertência”.

“Essa demonstração de lealdade parece ter conquistado pouco respeito pelo HSBC em Pequim, que continua a usar os negócios do banco na China como alavanca política contra Londres”, disse ele.

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Hua Chunying, disse a repórteres durante um briefing diário na quarta-feira que Pequim espera que os Estados Unidos parem de usar Hong Kong para acender incêndios e interferir nos assuntos da China. Os laços sino-americanos deterioraram-se rapidamente desde o início do ano, devido à pandemia de coronavírus e a Hong Kong. Washington vê a Huawei como uma extensão do governo chinês e insta os aliados europeus a excluí-la das redes móveis.

Pompeo disse que a Austrália, a Dinamarca e “outras nações livres” enfrentaram pressão de Pequim e mostrou por que os países precisavam evitar a dependência econômica da China e proteger sua infraestrutura crítica da influência do PCCh.

"Os países livres lidam com a verdadeira amizade e desejam prosperidade mútua, e não políticos e corporativos", disse ele.

O jornal britânico Daily Telegraph informou no sábado que o presidente do HSBC, Mark Tucker, havia alertado a Grã-Bretanha contra a proibição de equipamentos de rede fabricados pela Huawei, alegando que o banco poderia sofrer represálias na China.

Políticos britânicos e norte-americanos criticaram o HSBC e o Standard Chartered na semana passada, depois que ambos apoiaram a lei de segurança nacional de Hong Kong.