xtb

Por que o futuro da economia brasileira depende de aposentadorias?

A maior economia da América Latina, o Brasil, está mais perto do que nunca de revisar seu caro sistema de pensões. Esse foi o foco da primeira campanha legislativa sustentada do presidente Jair Bolsonaro, sua equipe econômica e aliados. Os esforços para reunir apoio a uma grande reforma fracassaram nas administrações anteriores. Agora, o Senado do Brasil deve aprovar mudanças que possam impulsionar as finanças públicas do país e abrir as portas para um ciclo virtuoso de expansão.

1. Por que a reforma previdenciária é tão importante?

Os gastos com pensões no Brasil já são altos em comparação com os de outros países, e um rápido envelhecimento da população faz do sistema atual uma bomba-relógio. O Brasil gasta o equivalente a 13% do produto interno bruto em seguridade social, bem acima da média de 8% para os países do G-20, segundo relatório do governo publicado em dezembro. Em pensões especificamente, o Brasil gasta o equivalente a 8,6% do PIB. O fundo de pensão para os trabalhadores do setor privado deve apresentar um déficit de 218 bilhões de reais (US $ 53,2 bilhões) este ano, acima dos 195,2 bilhões de reais em 2018, enquanto o fundo para servidores públicos também estará no vermelho. Atualmente, a população economicamente ativa do Brasil paga pelas aposentadorias. O número de cidadãos com mais de 65 anos de idade saltará de apenas 9,5% para 25,5% da população em 2060, de acordo com a agência nacional de estatísticas.

2. Qual é o plano de Bolsonaro?

Seu governo, sob o ministro da Economia Paulo Guedes, estabeleceria idades mínimas de aposentadoria - 65 para homens e 62 para mulheres. Para trabalhadores em áreas urbanas, o tempo mínimo de contribuição seria 20 anos para homens e 15 anos para mulheres. Atualmente, a aposentadoria é determinada por uma fórmula que considera a idade e o tempo de contribuição, permitindo que algumas pessoas reivindiquem benefícios já aos 50 anos. Essas mudanças, juntamente com um aumento de impostos sobre os bancos, deveriam inicialmente gerar 1 trilhão de reais em economia em 10 anos, embora as modificações na lei tenham reduzido esse valor para cerca de 800 bilhões de reais.

3. Qual tem sido a resposta?

O governo de Bolsonaro avançou na conquista de apoio do legislador cedendo em vários pontos. As pensões estaduais e municipais foram isentas das reformas, por exemplo, e um plano para implementar contas individuais de poupança foi arquivado. Tais compromissos ajudaram a acelerar um processo de votação complicado que atingiu dificuldades no início deste ano.

4. Onde estão as coisas?

A câmara baixa do Brasil aprovou a conta de pensão. No Senado, na primeira das duas votações, foi apoiado por 56 senadores, mais do que os 49 necessários para aprovar a legislação como uma emenda constitucional. Nas votações subsequentes sobre emendas ao projeto de lei, os parlamentares apoiaram uma proposta para manter um bônus anual para trabalhadores de baixa renda - um golpe para Bolsonaro que reduziu as economias estimadas do projeto em cerca de 70 bilhões de reais. A segunda e última votação no plenário provavelmente não acontecerá antes de 22 de outubro. Quando os senadores se reunirem na próxima vez, eles poderão apresentar apenas novas emendas que tratam de mudanças relativamente pequenas no idioma, em vez de alterações significativas que podem impactar novamente a proposta. poupança.

5. O que os investidores esperam ver?

Os investidores reagiram positivamente quando a proposta foi divulgada pela primeira vez em fevereiro e permaneceram otimistas, pois muitos de seus principais pontos permaneceram intactos, mesmo após semanas de debate. Uma crença central nos mercados financeiros sempre foi a de que quanto mais próxima a economia projetada for de 1 trilhão de reais, melhor. Muitos até esperavam um número final próximo a 700 bilhões de reais, inferior aos 800 bilhões de reais que a conta garantiria em sua forma atual. Ainda assim, surgiram novas preocupações após a mudança de última hora do Senado, reduzindo as economias da reforma. Alguns investidores vêem chances de que a votação final seja adiada ainda mais.

6. O que acontece se não for aprovado?

Não mudar o sistema de pensões provavelmente levaria a uma liquidação massiva. Os analistas reduziriam suas previsões sobre ativos locais, variando do mercado de ações à moeda. As agências de classificação poderiam rebaixar ainda mais o rating da dívida soberana do Brasil para lixo eletrônico, aumentando assim os custos de empréstimos do governo, à medida que as pensões engolem uma porcentagem cada vez maior do orçamento. O banco central provavelmente seria forçado a aumentar a taxa básica de juros para afastar as pressões inflacionárias de um real mais fraco e ajudar a evitar quedas mais acentuadas na confiança dos investidores. Juntos, esses fatores dificultariam a já lenta recuperação do Brasil em investimentos e crescimento econômico.