xtb

Recorde de vendas no varejo do Brasil cai em abril, aponta para sombrio PIB do segundo trimestre

As vendas no varejo brasileiro caíram a um ritmo recorde em abril, quando medidas de isolamento social sufocaram os gastos, mostraram números oficiais na terça-feira, indicando que a contração da economia no segundo trimestre pode ser ainda mais severa do que o previsto. As vendas, excluindo automóveis e materiais de construção, caíram 16,8% em abril em relação a março e em relação ao mesmo mês do ano anterior, informou a agência de estatísticas IBGE na terça-feira, refletindo o primeiro mês inteiro de isolamento social e medidas de quarentena.

Ambos foram mais acentuados do que o declínio mensal de 11,9% e a previsão de queda anual de 13,6% em uma pesquisa da Reuters com economistas. O IBGE disse que o nível de vendas agora é o mais baixo desde que a série começou em 2000 e caiu 22,7% em relação ao pico de outubro de 2014.

“Juntamente com os números da produção industrial, eles apontam para uma queda na atividade econômica geral de algo entre 15 e 20% em abril”, disse William Jackson, economista-chefe de mercado emergente da Capital Economics. “Mas, igualmente importante, a economia parece muito lenta para se recuperar. A produção provavelmente permaneceu em níveis muito deprimidos em maio e junho, apontando para uma queda maior no PIB no segundo trimestre ”, disse ele.

A economia brasileira deve encolher em um ritmo anual recorde este ano de mais de 6%, com o segundo trimestre registrando o maior declínio devido à crise do coronavírus.

Os setores mais atingidos em abril foram vestuário e calçados, que tiveram uma queda de 60,6% nas vendas; livros, revistas e jornais, que afundaram 43,4%; e outros bens pessoais e domésticos, que caíram 29,5% no mês, informou o IBGE.

As vendas de supermercados, alimentos, bebidas e tabaco caíram 11,8% e as de farmácias, medicamentos e cosméticos caíram 17%, informou o IBGE. Em uma medida mais ampla, incluindo automóveis e materiais de construção, as vendas no varejo na maior economia da América Latina caíram 17,5% no mês e 27,1% no ano, informou o IBGE. Ambos foram declínios recordes.