xtb

Turquia revida depois que bombas sírias matam tropas turcas

A Turquia disse na segunda-feira que seus militares atingiram dezenas de alvos do governo sírio depois que oito militares turcos foram mortos por bombardeios em Idlib, no noroeste da Síria, onde os combates ameaçam testar os laços entre Ancara e Moscou. A Turquia e a Rússia estão do lado oposto nos combates em Idlib e, embora trabalhem juntos em outros lugares na Síria, o presidente Tayyip Erdogan disse que autoridades russas foram informadas de que deveriam “ficar de lado” no conflito em torno de Idlib.

O ministro da Defesa Hulusi Akar disse que as forças turcas atingiram 54 alvos em Idlib em retaliação e “neutralizaram” 76 soldados do governo sírio, informou a agência estatal Anadolu. Mais tarde, ele disse à mídia turca que sete soldados turcos e um civil que trabalhava para as forças armadas turcas haviam morrido no bombardeio, e acrescentou que outras 13 pessoas feridas estavam em boas condições.

Erdogan havia dito anteriormente que as operações de retaliação incluíam o uso de caças F-16 e respondeu ao que a Turquia chamou de bombardeio intenso de suas tropas em Idlib, a última grande fortaleza rebelde após quase nove anos de guerra na Síria. As forças do presidente sírio Bashar al-Assad, apoiadas pelo poder aéreo russo, fizeram grandes avanços em Idlib, levando a Turquia a avisar que poderá iniciar uma operação militar lá, a menos que os combates sejam interrompidos.“Estamos determinados a continuar nossas operações para a segurança de nosso país, pessoas e nossos irmãos em Idlib. Quem questionar nossa determinação logo entenderá que cometeu um erro ”, disse Erdogan em Istambul antes de voar para Kiev.

Falando mais tarde na capital ucraniana, ele disse que os desenvolvimentos em Idlib se tornaram “incontroláveis”.

O Observatório Sírio, um monitor de guerra com sede na Grã-Bretanha, disse que 13 membros das forças do governo sírio foram mortos em bombardeios turcos. Um correspondente da TV estatal síria disse que não houve vítimas entre as forças do governo. Erdogan acusa a Rússia de violar um acordo de 2017 para reduzir os combates na região e cobra que a Rússia negue.

Ancara e Moscou também realizam regularmente patrulhas conjuntas no nordeste da Síria. Não está claro se ou como essa cooperação seria afetada por qualquer tensão nos vínculos com Idlib, mas a emissora turca NTV disse que a patrulha na segunda-feira foi cancelada. Os laços militares mais estreitos entre a Turquia e a Rússia, membro da Otan, alarmaram Washington e outros aliados ocidentais. Nos últimos dias, a Turquia enviou veículos militares, caminhões e outros reforços para a região, em um desafio a Damasco e seus apoiadores russos. Os rebeldes que lutam para expulsar Assad, alguns dos quais foram apoiados pela Turquia, também lançaram contra-ataques contra os ganhos territoriais das forças de Assad.