xtb

A taxa no México chega a 6%, o dobro da estimado pelo Banco do México

O México mais uma vez experimenta uma alta em seu Índice Nacional de Preços ao Consumidor (IPC), pressionado pelo aumento dos preços dos alimentos e da energia, de acordo com o último relatório apresentado pelo Instituto Nacional de Geografia e Estatística (Inegi). A taxa mensal em setembro foi de 0,62%, que acumula alta de 6% em 12 meses e é o pior índice de alta do IPC desde abril. A cifra anual é superior aos 5,59% registrados em agosto, e se mantém acima da meta de informação do Banco de México (Banxico) de 3% ao ano, o que representa sete meses consecutivos fora da meta do banco central. Enquanto isso, o Núcleo da Transmissão de níveis não vistos desde agosto de 2017, atingindo 4,92%.

O vice-governador do Banco do México, Jonathan Heath, reconheceu em entrevista ao EL PAÍS, que após um ano e meio de pandemia, o atual fenômeno inflacionário se tornou “complexo” e alertou que uma proposta apresentada para reverter a abertura do setor privado no mercado de energia não contribui para a recuperação econômica do México. Entre os produtos que mais caros estão a pimenta serrano (54,39%), feijão verde (50,29%), tomate (32,25%), gás doméstico, conhecido como LP (20,63%), carne suína (17,45%), gasolina alta octanagem (16,84%) e gás natural (15,25%).

Em 30 de setembro, o Banxico decidiu aumentar sua taxa de juros em 0,25 ponto percentual, para 4,75%, devido a maiores pressões inflacionárias. Este é o terceiro aumento consecutivo da taxa de referência, após a decisão, em 12 de agosto, de escalá-la para 4,5%. O aumento das taxas rompeu com os cortes feitos entre agosto de 2019 e ao longo de 2020 para neutralizar os efeitos da pandemia sobre a economia mexicana, a segunda maior da América Latina depois do Brasil.

Os efeitos da pandemia covid-19 pesaram sobre a economia do país norte-americano, que despencou 8,5% em 2020. Enquanto o governo do presidente Andrés Manuel López Obrador e o Banxico obtêm uma recuperação entre 6% e 6,5% este ano, o banco central se reunirá novamente em 11 de novembro para avaliar sua política monetária de metas de informação.