xtb

Bolsonaro critica fabricantes de seringas do Brasil por preços em alta

O presidente Jair Bolsonaro acusou os fabricantes de seringas na quarta-feira de aumentar seus preços depois que o governo não conseguiu comprar centenas de milhões de seringas em leilão para sua campanha de vacinação COVID-19, levando-a a requisitar suprimentos excedentes.

“Os preços dispararam depois que o Ministério da Saúde manifestou interesse em comprar seringas”, escreveu Bolsonaro nas redes sociais, acrescentando que o governo suspendeu as compras até que os preços voltassem ao normal.

Os três principais fabricantes de seringas do Brasil se reuniram com Bolsonaro na terça-feira e concordaram que cada um forneceria 10 milhões, junto com agulhas para cobrir os estágios iniciais das vacinações planejadas do país.

“Foi um pedido de requisição e as empresas têm que obedecer. Foi quase um confisco, mas o governo vai pagar ”, disse Paulo Henrique Fraccaro, chefe do grupo de lobby da indústria de equipamentos e suprimentos médicos ABIMO.

Fraccaro disse que o governo decidiu requisitar suprimentos de seringas depois que não conseguiu fazer lances em uma sessão de leilão eletrônico na semana passada. Ela havia procurado comprar 331 milhões de seringas, mas comprou apenas 8 milhões, ou 2,5% de sua meta, depois de definir preços de referência que estavam abaixo das propostas das empresas.

O Ministério da Saúde ofereceu 13 centavos (0,13 reais) por seringa em sua licitação de 29 de novembro, mas a maioria das empresas estava pedindo 22-48 centavos (0,22-0,48 reais), dependendo das características, disse Fraccaro.

Embora os preços das seringas requisitadas não tenham sido acordados, Fraccaro disse que o governo planejava abrir uma segunda licitação em uma ou duas semanas com os preços “ajustados” à realidade de fabricação de hoje.

O Brasil tem o pior número de mortes de COVID-19 fora dos Estados Unidos, mas ficou atrás dos vizinhos Chile e Argentina no início de vacinas contra o novo coronavírus.

Bolsonaro escreveu que os estados e municípios brasileiros têm suprimentos suficientes para iniciar a vacinação, que deve começar até o final do mês.

Em um movimento paralelo, a autoridade comercial brasileira Camex cortou de 16% para zero o imposto de importação sobre produtos de seringas e agulhas. A isenção se estende até 30 de junho.

A Camex também disse que suspendeu os procedimentos antidumping contra seringas importadas da China, um dia depois de estender por mais seis meses a provisão de imposto zero de importação para 298 produtos médicos essenciais na luta contra o COVID-19.