xtb

China reduz pela metade as tarifas sobre algumas importações dos EUA, à medida que aumentam os riscos de coronavírus

A China disse na quinta-feira que reduziria pela metade as tarifas adicionais cobradas contra 1.717 mercadorias dos EUA no ano passado, após a assinatura de um acordo da Fase 1 que neutralizou uma guerra comercial feroz entre as duas maiores economias do mundo. Enquanto o anúncio retribui o compromisso dos EUA com o acordo, também é visto pelos analistas como um movimento de Pequim para aumentar a confiança em meio a um surto de vírus que interrompeu os negócios e afetou o sentimento dos investidores.

No entanto, levantando dúvidas sobre as perspectivas imediatas, foi levantada em uma reportagem da mídia local que Pequim poderia invocar uma cláusula relacionada a desastres no acordo comercial, o que poderia evitar repercussões, mesmo que não atendesse totalmente às compras direcionadas dos EUA bens e serviços para 2020.

Washington saudou os cortes nas tarifas como um “grande passo na direção certa”, mas disse esperar que a China cumpra suas obrigações sob o acordo comercial da Fase 1, apesar do surto. “Estamos monitorando o vírus com cuidado”, disse à Fox Business Network o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin. “Mas, com base nas informações atuais, não espero que haja problemas em cumprir seus compromissos”. O Ministério das Finanças da China disse em comunicado que a partir de 14 de fevereiro, tarifas adicionais cobradas sobre alguns produtos serão reduzidas para 5%, de 10%, e outras reduzidas para 2,5%, de 5%.

O ministério não declarou o valor dos bens afetados pela decisão, mas os produtos afetados pela nova regra estão entre US $ 75 bilhões em bens atingidos por tarifas chinesas de 5% a 10%, que entraram em vigor em 1º de setembro. Em comunicado separado, o Ministério das Finanças disse que a redução de tarifas corresponde à anunciada pelos Estados Unidos em produtos chineses, que também estão programados para 14 de fevereiro.

Ajustes adicionais dependerão do desenvolvimento da situação econômica e comercial bilateral, afirmou o ministério.

As reduções reduzirão as tarifas sobre a soja de 30% para 27,5%, embora alguns traders digam que o impacto pode ser limitado, já que as tarifas de 25% permanecem em vigor. Os impostos sobre o petróleo cairão de 5% para 2,5%, imposto em setembro.