xtb

Corrida do ouro na Amazônia: mineração ilegal ameaça a última grande tribo isolada do Brasil

A atividade ilegal de mineração de ouro aumentou bastante nos últimos cinco anos na reserva indígena Yanomami do Brasil, no coração da floresta amazônica, mostra uma análise feita pela Reuters de dados exclusivos de imagens de satélite.

Os Yanomami são a maior das tribos da América do Sul que permanecem relativamente isoladas do mundo exterior. Mais de 26.700 pessoas vivem em uma reserva protegida do tamanho de Portugal, perto da fronteira venezuelana.

No entanto, a terra sob a floresta intocada em que habitam há séculos contém minerais valiosos - incluindo ouro.

O desejo de ouro atraiu garimpeiros de gatos selvagens nas últimas décadas, que destruíram florestas, envenenaram rios e trouxeram doenças fatais para a tribo.

Hoje, os Yanomami e as autoridades locais estimam que existem mais de 20.000 mineiros ilegais em suas terras. Eles dizem que os números aumentaram desde a eleição de 2018 do presidente de extrema direita Jair Bolsonaro, que prometeu desenvolver a Amazônia economicamente e explorar suas riquezas minerais.

O escritório de Bolsonaro não respondeu a um pedido de comentário.

Uma análise feita pela Reuters sobre imagens de satélite da reserva Yanomami mostra um aumento de 20 vezes na atividade ilegal de mineração nos últimos cinco anos, principalmente ao longo de dois rios, o Uraricoera e o Mucajai. Juntas, as áreas de mineração cobrem uma área de cerca de 8 quilômetros quadrados - o equivalente a mais de 1.000 campos de futebol.

Embora a mineração seja pequena em escala, é devastadora para o meio ambiente. Árvores e habitats locais são destruídos e o mercúrio usado para separar o ouro dos grãos vaza para os rios, envenenando a água e entrando na cadeia alimentar local por meio de peixes.

Um estudo publicado no Jornal Internacional de Pesquisa Ambiental e Saúde Pública em 2018 descobriu que em algumas aldeias Yanomami, 92% dos moradores sofrem com envenenamento por mercúrio, o que pode prejudicar os órgãos e causar problemas de desenvolvimento em crianças.

Os mineiros também trazem doenças.

Na década de 1970, quando o governo militar do Brasil destruiu uma rodovia através da floresta ao norte do rio Amazonas, duas comunidades Yanomami foram arrasadas por epidemias de gripe e sarampo.

Uma corrida do ouro uma década depois trouxe malária e escaramuças armadas.

Hoje, a pandemia de coronavírus ameaça os Yanomami. Havia mais de 160 casos confirmados de COVID-19 e cinco mortes entre a tribo a partir desta semana, segundo uma rede de pesquisadores, antropólogos e médicos.

“A principal forma de transmissão desse vírus mortal em nossas comunidades são os mineiros ilegais”, disse Dario Yawarioma, vice-presidente da Associação Hutukara Yanomami.

"Existem muitos deles. Eles chegam em helicópteros, aviões, barcos e não temos como saber se estão doentes com o coronavírus ”, afirmou ele por telefone.

O vírus é particularmente perigoso para povos indígenas como os Yanomami, que vivem em grandes habitações comunitárias, com até 300 pessoas sob o mesmo teto. Compartilhando de tudo, de comida a utensílios e redes, seu estilo de vida coletivo torna praticamente impossível o distanciamento social.

Yawarioma disse que a agência de assuntos indígenas do governo, Funai, não visitou a reserva desde que o coronavírus se espalhou por lá. A Funai não respondeu a um pedido de comentário.

O exército do Brasil tentou impedir a entrada de mineiros, disse Yawarioma, mas os mineiros retornam assim que os soldados partem.

O ouro se tornou uma exportação significativa do estado de Roraima, no norte do Brasil, de acordo com dados do governo. No entanto, não há operações de mineração legalmente registradas em Roraima.

Quase toda a mineração de ouro no estado é em terras indígenas, como as dos Yanomami, e, portanto, são extraídas ilegalmente, disse uma fonte da agência de mineração do governo.

Muito disso vai para a Índia. As estatísticas oficiais mostram que 486 quilos foram exportados para a Índia de Roraima em 2019, contra 38 quilos em 2018.

Garimpeiros ilegais, conhecidos como garimpeiros localmente, foram encorajados pela eleição de Bolsonaro, que disse que quer legalizar a mineração de gatos selvagens. Ele também disse que a reserva Yanomami, que com 9,6 milhões de hectares (duas milhões de acres) é duas vezes maior que a Suíça, é grande demais para sua população indígena.

“O presidente Bolsonaro está apoiando projetos de mineração em terras indígenas e, como ele disse que os garimpeiros devem ser legalizados, seus números cresceram muito e continuam a crescer”, disse Yawarioma.

As imagens de satélite capturadas entre 2017 e 2019 mostram o número de áreas identificadas como minas - que aparecem como manchas brilhantes de ouro e turquesa - cresceram para 207 locais em pelo menos 10 no período de 2015-2016 para 207 locais. A área de superfície extraída ou sendo extraída cresceu 32 vezes.

A água é um elemento-chave no processo de mineração, pois os mineradores precisam afrouxar os sedimentos contendo ouro, para que as perspectivas sejam concentradas ao longo dos rios da reserva que fluem para o rio Amazonas.

Indígenas adquirindo COVID-19

Segundo a lei brasileira, nenhuma mineração é permitida em terras indígenas. No entanto, o Greenpeace disse nesta semana que sua própria análise de dados de satélite descobriu que 72% de toda a mineração de gatos selvagens na Amazônia era feita em terras indígenas protegidas ou áreas de conservação.

Os Yanomami, cuja reserva foi oficialmente aprovada em 1992 após uma batalha de 20 anos pelos direitos à terra, imploraram ao governo que expulsasse os mineiros desde a chegada do coronavírus. A tribo iniciou uma petição ‘Miners Out COVID Out’ para chamar a atenção para sua situação.

A ajuda pode estar a caminho. Em 17 de junho, um tribunal federal ordenou que a Funai reabrisse três postos de proteção na reserva Yanomami para ajudar a combater o surto de coronavírus e interromper a mineração ilegal de ouro.

Uma das postagens é particularmente vital porque se destina a monitorar um grupo isolado de Yanomami.

A reserva precisa ser monitorada com mais eficácia e os invasores despejados para que os Yanomami sobrevivam, disse a organização de direitos indígenas Survival International.

“Os Yanomami são extremamente vulneráveis ​​no momento, mas também são pessoas resilientes”, disse Fiona Watson, diretora de advocacia da Survival International, que trabalha com a tribo há três décadas.

“Eles nunca podem sentar e relaxar. Sempre tem alguém querendo entrar na terra deles.