xtb

Mundo precisa de tratado de pandemia para garantir transparência -Boris Johnson

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, disse na segunda-feira que as potências mundiais deveriam firmar um tratado global sobre pandemias para garantir a transparência adequada após o novo surto de coronavírus que se originou na China.

Johnson disse que gostaria de chegar a um acordo global sobre pandemias em que os países concordassem em compartilhar dados, em meio a preocupações britânicas e americanas com o acesso concedido a uma missão da Organização Mundial da Saúde (OMS) à China.

Questionado pela Reuters sobre qualquer ação que ele quisesse para melhorar a transparência, Johnson disse: “Acho que o que o mundo precisa ver é um acordo geral sobre como rastreamos os dados em torno de pandemias zoonóticas … e queremos um acordo conjunto sobre transparência”.

“Acho que uma das ideias atraentes que vimos nos últimos meses foi uma proposta de tratado global sobre pandemias, para que os países signatários garantam que contribuíram com todos os dados de que dispõem e que possamos chegar ao fundo do que aconteceu e impedir que aconteça novamente ”, disse ele em uma entrevista coletiva.

“Essa é a coisa sensata a fazer.”

Como parte da presidência britânica do Grupo dos Sete (G7) nações ricas, Johnson deseja liderar os esforços em uma abordagem global para pandemias, incluindo um sistema de alerta precoce. Mas uma declaração do fim de semana antes de uma ligação dos líderes do G7 na sexta-feira não entrou em detalhes sobre qualquer tratado sobre transparência.

O surto de COVID-19, detectado pela primeira vez na China no final de 2019, matou 2,4 milhões de pessoas, colocou a economia global em sua pior crise em tempos de paz desde a Grande Depressão e prejudicou a vida normal de bilhões de pessoas.

O ministro das Relações Exteriores da Grã-Bretanha, Dominic Raab, disse no domingo que compartilhava as preocupações dos EUA sobre o nível de acesso dado a uma missão de averiguação da Organização Mundial de Saúde COVID-19 para a China, enquanto Johnson disse que apoia o presidente dos EUA Joe Biden na necessidade de mais dados. a investigação.

Questionado pela Reuters sobre quem ele considerava responsável por qualquer falta de transparência sobre as origens da pandemia COVID-19, Johnson disse: “Acho que é bastante óbvio que a maioria das evidências parece apontar para a doença ter se originado em Wuhan.”

“Portanto, acho que todos nós precisamos ver o máximo que pudermos sobre como isso pode ter acontecido, as perguntas zoonóticas que as pessoas estão fazendo. Acho que precisamos de tantos dados quanto possível ”, disse ele.